Você se considera preparado para os desafios do futuro?

Você se considera preparado para os desafios do futuro?

Dentro de muitas mudanças e incertezas, temos a necessidade de constantemente nos prepararmos para o futuro. Essa preparação pode nos proporcionar mais ou menos oportunidades, dependendo de nosso foco e nossa disciplina para com nosso desenvolvimento.

Há algum tempo atrás, quem possuía uma faculdade tinha um grande diferencial curricular. Hoje sabemos que a graduação por si só, já não garante mais a competitividade no mercado.  Os cursos de especialização, Pós Graduação e MBA’s, estão bem cotados como diferenciais curriculares.

Cursos de curta duração que possuem programas focados na realidade do dia a dia, Congressos e Grupos de estudos, também auxiliam os profissionais a atingirem expertise em determinados assuntos que podem fazer a diferença em sua carreira.

A dica principal é: foque no seu desenvolvimento, e faça com que ele seja continuo. Um curso por ano hoje, já não te transforma num profissional atualizado.

Invista em você e na sua carreira. Existem diversos cursos a distancia ou mesmo gratuitos que podem servir de catalisador de oportunidades. Por esse motivo, não saia por aí participando de qualquer treinamento que apareça na sua frente. Selecione os que realmente farão diferença a você.

Crie objetivos pessoais de desenvolvimento para cada treinamento que decidir participar, e seja criterioso com a avaliação e escolha do mesmo. Peça indicações de pessoas que já participaram do mesmo treinamento. Entre em contato e veja se as expectativas dessas pessoas foram atendidas. Você precisa participar de cursos/treinamentos sabendo exatamente o que pretende colher de diferente após a realização do mesmo, não pode se deixar contar com a sorte.

Se não for assim, que critérios usará para saber realmente que o treinamento foi bom e produtivo? Seja criterioso, isso lhe proporcionará sem sombra de duvidas uma carreira mais solida e duradoura. Sucesso!!!

Você conhece a Cultura Organizacional da sua empresa?

Você conhece a Cultura Organizacional da sua empresa?

Neste post iremos falar sobre a real importância e o conceito da Cultura Organizacional, mas antes de tudo, você sabe o que é Cultura Organizacional???

Pois bem vou te explicar sucintamente o que significa, para podermos efetuar logo após, as analises de como hoje essa cultura afeta ou beneficia nossa carreira.

Segundo a definição de L. Smircich em “Concepts of Culture and Organisational Analysis” a Cultura Organizacional representa o sistema de comportamentos, normas e valores sociais (padrões de referência que influenciam a forma como as pessoas agem e avaliam os acontecimentos) aceites e partilhados por todos os membros da organização e que de certa forma a tornam única.

É, portanto, um conjunto de características únicas que permite distinguir a organização de todas as outras. Corresponde ao que representa a personalidade no indivíduo e transmite a forma como os membros da organização se comportam de acordo com o sistema de valores vigente.

A importância da Cultura Organizacional deve-se ao fator de constituir uma forte determinante da motivação na organização, fato que se deve às funções que desempenha, nomeadamente:

– Dar um sentimento de identidade, de unidade e de participação coletiva aos membros da organização;

– Incentivar o empenhamento das pessoas;

– Guiar e modelar o comportamento das pessoas.

Atualmente como você percebe a cultura da empresa em que trabalha? Ela auxilia seu desenvolvimento e seu desejo por melhorias? Como seus lideres o motivam para o aprendizado? A empresa investe em você ou o motiva ao alcance de Alta Performance? Se todas estas respostas tiverem sido negativas, cuidado, talvez você esteja dentro de uma organização que ainda não entendeu o sentido macro da Liderança Estratégica que não é somente sair e contratar o melhor profissional do mercado, mas sim formar dentro dela própria tal profissional.

Santo de casa faz milagre? Sim !

Santo de casa faz milagre? Sim !

Em meio a muitas transformações e necessidades de mudança, geralmente as empresas acreditam que para inovar  precisam de pessoas novas.

Muitas empresas não percebem os talentos internos que dispõem, e dessa maneira fazem contratações externas fora da realidade da empresa.

Precisamos entender que o tempo de permanência de um profissional na empresa, depende exclusivamente de como ele percebe sua carreira naquela organização.

Empresas que não desenvolvem seus colabores e contratam conhecimento pronto de fora da mesma, erram duas vezes: Primeiro quando acreditam que o conhecimento de um profissional fará a diferença sem contar com a cultura daquela organização, bem como seus valores e sua rotina; Segundo quando pensa que seus colaboradores internos não são afetados com esse tipo de contratação.

Hoje a máxima da gestão de pessoas está justamente em transformar o colaborador dentro do tripé de Competências, sendo: Conhecimento, Habilidade e Atitudes.

Um profissional será entendido como verdadeiramente competente quando ele tiver os conhecimentos relacionados a suas atividades, habilidade para desenvolve-las e  principalmente atitude para inovar, transformar e querer que a coisa aconteça.

Um engano muito grande é a empresa “achar” que o profissional poderá desenvolver essas competências sozinhos. A empresa precisa assumir o papel de agente de mudança e principalmente de agende de gestão do conhecimento. Só dessa maneira será possível sair definitivamente da justificativa de que o mercado não oferece pessoas preparadas, e dessa maneira se assumir como autor de sua própria historia.

Santos de casa fazem milagre sim! Porem não podemos acreditar que ele milagre acontecerá sem esforços, empenho e dedicação.

Empresas olhem para dentro de sua organização e conheça melhor as pessoas que fazem parte dela. Conheça a expectativa desses profissionais, conheça a historia deles, e semeie bons frutos dessa relação.

Sucesso a todos!

 

Precisamos falar sobre resiliência…

Precisamos falar sobre resiliência…

Já ouviu falar nesse termo? Senão ouvir, sem dúvida você vai esbarrar nela por ai. Pois bem! Resiliência ou resiliência é um conceito oriundo da física, que se refere à propriedade de que são dotados alguns materiais, de acumular energia quando exigidos ou submetidos a estresse sem ocorrer ruptura.

Após a tensão cessar poderá ou não haver uma deformação residual causada pela histerese do material – como um elástico ou uma vara de salto em altura, que verga-se até um certo limite sem se quebrar e depois retorna à forma original dissipando a energia acumulada e lançando o atleta para o alto.

Atualmente resiliência é utilizado no mundo dos negócios para caracterizar pessoas que têm a capacidade de retornar ao seu equilíbrio emocional após sofrer grandes pressões ou estresse, ou seja, são dotadas de habilidades que lhes permitem lidar com problemas sob pressão ou estresse mantendo o equilíbrio (Wikipedia).

Um profissional com tal característica, detém um diferencial competitivo muito grande, pois ficará a frente de profissionais que podem ser capacitados e diferenciados tecnicamente, porem comportamentalmente deixam a desejar.

É isso o que acontece na maioria dos casos em cargos de Gestão por exemplo. São profissionais altamente técnicos, que não possuem habilidade e flexibilidade necessária ao cargo.

Um bom exemplo disso seria um Supervisor Comercial, que tem toda pressão da diretoria para obtenção de métricas, que em contrapartida tem a pressão da equipe por melhores salários ou benefícios, e ainda a pressão do cliente exigindo mais prazo ou maiores descontos.

Esse profissional pode ter feito faculdade de Marketing, MBA em qualquer área que você possa imaginar, morado fora do país e contar com um enorme e graduado currículo. Porem se ele não for resiliente o bastante para trabalhar sobre essa pressão, ele não irá atingir o sucesso na carreira.

E você já se viu nesse papel? Trabalha sob pressão? Se sim, ótima oportunidade para treinar sua resiliência. Se não, cuidado, você pode estar sendo poupado, porque sua Gerencia não acredita no seu potencial comportamental, e isso pode implicar em cargos estritamente operacionais para o resto da carreira.

A pressão tem que servir de oxigênio para novas conquistas e melhoria continua. Não entendam a mesma como um “carma”.

Ela pode ser responsável pelo seu desenvolvimento e consequentemente sua progressão de carreira. Fique feliz com o trabalho sob pressão, e se entenda uma pessoa afortunada pelo destino.

Se hoje não trabalha sob pressão, deixe claro para sua gerencia seu preparo e maturidade para o qual, e se for conveniente assuma responsabilidades que não assumia até então.

Deixe nítido sua preocupação e seu preparo para novos desafios, e siga em frente. Resiliente sempre!!!

 

Profissionalmente Político

Profissionalmente Político

Bom vamos lá! Ao conceito em sermos políticos. A origem da palavra política é grega e foi utilizada por vários filósofos e escritores da Grécia antiga. Entretanto o de melhor compreensão foi escrita por Aristóteles.

Segundo o filósofo o homem é um animal político, pois necessita da companhia de outras pessoas, ou seja: refere-se à vida comum, as regras de organização dessa vida, os objetivos da comunidade e as decisões sobre todos esses pontos.

Portanto, é possível afirmar que todos nós independente de vivermos a vida política no sentido real, somos políticos em algum momento, pois vivemos em companhia de outras pessoas.

O profissional que age de maneira politicamente correta, é o profissional que se preocupa com o grupo. Que leve em frente ações de melhoria para o coletivo, e não utiliza a força coletiva para beneficio próprio.

O ser político naturalmente conta com competências favoráveis de comunicação e persuasão, por isso infelizmente podem utilizar essa competência para o bem ou para o mal.

O que vemos na maior parte do tempo é que seres dotados de competências politicas indiscutíveis, as utilizam para seu beneficio próprio. Utilizam ferramentas da politica de convencimento de pessoas de maneira grupal, mas a conclusão final é somente ele será o único beneficiado com a situação.

Precisamos tomar cuidado e verificar quanto politico estamos sendo, e se estamos realmente utilizando nossa competência para uma finalidade de bem em comum e não somente beneficio próprio.

Precisamos entender que o mercado de trabalho gira, e algumas vezes podemos estar em cima, como em outras situações podemos estar em baixo, e quando estivermos em baixo nossa essência ficará ainda mais aflorada. Se formos o mesmo profissional independentemente da situação, que ótimo, pouco tempo estaremos na parte debaixo do clico.

Porém se formos profissionais mascarados, que mudamos conforme a situação e que não dotamos de uma essência interior, precisamos ser cautelosos, pois nossa estadia no ciclo baixo pode perdurar por muito tempo, e difícil será encontrarmos durante essa fase ruim, alguém que nos de a mão.

Reflita: A politica precisa estar em nossas vidas em todo momento, somente não deverá estar presente quando queremos utilizar o bem comum para beneficio próprio.