Responsabilidade Compartilhada

Responsabilidade Compartilhada

Sabemos da importância de uma política salarial tanto para a empresa quanto para os Colaboradores. A saúde do negócio está nas mãos de seus colaboradores, e por isso, a política salarial para remuneração dos mesmos necessita ser pensada de maneira correta e inteligente. A segurança para essas pessoas pode ser um grande diferencial, porém o que a grande maioria dos profissionais buscam, é a possibilidade de desenvolvimento e melhoria continua.

A liderança por sua vez, também possui um grande papel para retenção de talentos dentro de uma organização, pois os mesmos fazem a ponte direta no que se refere as expectativas da empresa e as expectativas de seus colaboradores. Uma gestão correta faz com que essa relação se torne o mais sadio possível, obtendo melhores dos resultados.

As empresas precisam realmente buscar seu autodesenvolvimento através do desenvolvimento de seus colaboradores, e assim atingir o sucesso e o grande diferencial competitivo que o mercado busca incessantemente.

Em suma, as empresas estão se adaptando as exigências do mercado e formando sua própria mão de obra, por isso os salários iniciais geralmente são de funções básicas. Após o treinamento é que percebemos gradativamente uma evolução salarial.

Funções como: Serralheiro, Marceneiro, Montador, são pequenos exemplos de funções que as empresas por si só estão buscando treinar internamente.

As empresas estão percebendo que não podem simplesmente cruzar os braços e culpar os Órgãos públicos pela falta de qualificação do mercado, porque a situação de qualquer maneira não se resolverá do dia para noite. Perceberam que precisam sim de um diferencial competitivo para sua empresa e que este diferencial competitivo está na Gestão correta de seus talentos.

 

Tatiane Souza

Geração Y

Geração Y

 

Pesquisa: 51% dos jovens querem empreender em 6 anos.

Levantamento com 46.107 jovens brasileiros das cinco regiões do país indica que 56% deles querem abrir um negócio. (Fonte: Revista Veja)

Os Jovens nascidos entre as décadas de 80 e 90 são conhecidos como a Geração Y. Nascidos na era digital essas pessoas estão sempre conectadas e são especialistas em lidar com tecnologia.

Algumas empresas estão tendo algumas dificuldades em lidar com esses profissionais, pois entendem que os mesmos não oferecem segurança para seus empregadores.

Segue abaixo algumas dicas para lidar com essa Geração que se bem aproveitada, pode oferecer resultados extremamente expressivos para sua organização.

  • Uma necessidade muito grande dessa Geração é entender que a proximidade é essencial. A geração Y quer opinar, criticar, reclamar, perguntar. As redes sociais são um dos principais canais de comunicação, justamente porque dão voz a eles. A empresa para ser bem-sucedida, neste caso, precisa oferecer políticas que estimulem a expressão de ideias e não o contrário. Mesmo que essa ideia naquele momento não possa ser utilizada.
  • Um dos mitos relacionados com essa Geração é que ela é difícil de satisfazer. Por serem muito diferentes uns dos outros, o segredo está em um simples detalhe: observar e conhecer o perfil desse público. Procure saber quais são seus hábitos, onde ele está, o que gosta, suas preferências culturais, pois o segredo está em atender a perspectiva desse público e não o inverso.
  • Essa geração mais jovem tem a tendência de priorizar Organizações que os tratem de maneira personalizada. Por isso, é importante que os RHs estejam prontos a prestar um bom atendimento, dessa forma, conhecendo mais a fundo seus colaboradores.
  • Escute os funcionários que fazem parte dessa geração. Isso ajuda a perceber o que está funcionando e o que esse público quer.
  • A comunicação Empresarial tem que ser diferente. Os meios tradicionais não surtem os mesmos efeitos para essa Geração. Segundo especialistas, a interação simultânea por vários canais, como celular, intranet, Jornal, revistas, são métodos eficazes de contato.
  • Quando a empresa implementa uma novidade, é preciso medir se o resultado foi bom. A ação precisa ser mensurável e o bom empreendedor precisa saber o momento certo de mudar suas políticas. É necessário avaliar se seus planos, politicas, modo de remuneração e avaliação estão condizentes com a expectativas desses colaboradores da geração Y, senão simplesmente eles perdem a motivação e vão atrás de outras oportunidades.

Os jovens querem trabalhar em uma área com a qual se identifiquem. Nada melhor do que criar um modelo de gestão que atendam duas grandes necessidades dessa Geração: Vontade de realizar-se profissionalmente fazendo o que gosta e de deixar uma marca positiva no meio em que convive.

Tatiane Souza

Ética, valores e crenças

Ética, valores e crenças

 

Todos nós somos providos por crenças e valores pessoais que nos estimulam ou que nos prendem em determinados momentos. Esses valores e crenças foram sendo adquiridos ao longo de nossa história desde o momento de nosso nascimento, sendo influenciado por nossos amigos, parentes e familiares mais próximos. Esse conjunto se torna praticamente nosso jeito de ser e agir.

Nossos valores são tudo que acreditamos como certo, independente da ética que faz parte de um conjunto de valores estipulados pela sociedade.

Definição de Ética: O termo “ética” deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade. A ética serve para que haja um equilíbrio e bom funcionamento social, possibilitando que ninguém saia prejudicado. Neste sentido, a ética, embora não possa ser confundida com as leis, está relacionada com o sentimento de justiça social.

A ética é construída por uma sociedade com base nos valores históricos e culturais. Do ponto de vista da Filosofia, a Ética é uma ciência que estuda os valores e princípios morais de uma sociedade e seus grupos.

Pois bem, dentro de nossos valores (que seria uma ética particular nossa) existem crenças que nos fortalecem nas tomadas de decisões. Nossas crenças nos move no sentido do que acreditamos. Mesmo que a decisão tomada não seja a melhor, tomamos a mesma em cima do que acreditamos, e não conforme a grande maioria das pessoas nos estimulam a acreditar.

Dentro das organizações, há um problema muito grande de alinhamento de cultura, pois como nós agimos em detrimento a nossos valores e crenças, também uma empresa deve agir dentro desse principio. Só que a problemática geral está no sentido de que uma organização é composta por diversas pessoas que possuem seus próprios valores e princípios. E aí como resolver a situação?

O sucesso de um profissional e também de uma empresa está justamente nesse alinhamento de valores e crenças. O que a empresa acredita como certo, precisa estar alinhada ao que as pessoas que lá trabalham também acreditam. Diferente disso, tornamos o ambiente conhecido como anti-ético, que nada mais é do que valores diferentes sendo utilizados em um ambiente em comum.

Antes de mais nada precisamos olhar em nossa volta e verificar se a empresa em que estamos está alinhada com nossos valores, como também a empresa precisa olhar mais atentamente seus colaboradores e avaliar se o que ele acredita como certo também se faz presente na crença daqueles que fazem o resultado acontecer. Diferente disso? Difícil, nada pode ser pior do que valores não alinhados.

Tatiane Souza

Santo de casa faz milagre? Sim !

Santo de casa faz milagre? Sim !

Em meio a muitas transformações e necessidades de mudança, geralmente as empresas acreditam que para inovar  precisam de pessoas novas.

Muitas empresas não percebem os talentos internos que dispõem, e dessa maneira fazem contratações externas fora da realidade da empresa.

Precisamos entender que o tempo de permanência de um profissional na empresa, depende exclusivamente de como ele percebe sua carreira naquela organização.

Empresas que não desenvolvem seus colabores e contratam conhecimento pronto de fora da mesma, erram duas vezes: Primeiro quando acreditam que o conhecimento de um profissional fará a diferença sem contar com a cultura daquela organização, bem como seus valores e sua rotina; Segundo quando pensa que seus colaboradores internos não são afetados com esse tipo de contratação.

Hoje a máxima da gestão de pessoas está justamente em transformar o colaborador dentro do tripé de Competências, sendo: Conhecimento, Habilidade e Atitudes.

Um profissional será entendido como verdadeiramente competente quando ele tiver os conhecimentos relacionados a suas atividades, habilidade para desenvolve-las e  principalmente atitude para inovar, transformar e querer que a coisa aconteça.

Um engano muito grande é a empresa “achar” que o profissional poderá desenvolver essas competências sozinhos. A empresa precisa assumir o papel de agente de mudança e principalmente de agende de gestão do conhecimento. Só dessa maneira será possível sair definitivamente da justificativa de que o mercado não oferece pessoas preparadas, e dessa maneira se assumir como autor de sua própria historia.

Santos de casa fazem milagre sim! Porem não podemos acreditar que ele milagre acontecerá sem esforços, empenho e dedicação.

Empresas olhem para dentro de sua organização e conheça melhor as pessoas que fazem parte dela. Conheça a expectativa desses profissionais, conheça a historia deles, e semeie bons frutos dessa relação.

Sucesso a todos!

 

Precisamos falar sobre resiliência…

Precisamos falar sobre resiliência…

Já ouviu falar nesse termo? Senão ouvir, sem dúvida você vai esbarrar nela por ai. Pois bem! Resiliência ou resiliência é um conceito oriundo da física, que se refere à propriedade de que são dotados alguns materiais, de acumular energia quando exigidos ou submetidos a estresse sem ocorrer ruptura.

Após a tensão cessar poderá ou não haver uma deformação residual causada pela histerese do material – como um elástico ou uma vara de salto em altura, que verga-se até um certo limite sem se quebrar e depois retorna à forma original dissipando a energia acumulada e lançando o atleta para o alto.

Atualmente resiliência é utilizado no mundo dos negócios para caracterizar pessoas que têm a capacidade de retornar ao seu equilíbrio emocional após sofrer grandes pressões ou estresse, ou seja, são dotadas de habilidades que lhes permitem lidar com problemas sob pressão ou estresse mantendo o equilíbrio (Wikipedia).

Um profissional com tal característica, detém um diferencial competitivo muito grande, pois ficará a frente de profissionais que podem ser capacitados e diferenciados tecnicamente, porem comportamentalmente deixam a desejar.

É isso o que acontece na maioria dos casos em cargos de Gestão por exemplo. São profissionais altamente técnicos, que não possuem habilidade e flexibilidade necessária ao cargo.

Um bom exemplo disso seria um Supervisor Comercial, que tem toda pressão da diretoria para obtenção de métricas, que em contrapartida tem a pressão da equipe por melhores salários ou benefícios, e ainda a pressão do cliente exigindo mais prazo ou maiores descontos.

Esse profissional pode ter feito faculdade de Marketing, MBA em qualquer área que você possa imaginar, morado fora do país e contar com um enorme e graduado currículo. Porem se ele não for resiliente o bastante para trabalhar sobre essa pressão, ele não irá atingir o sucesso na carreira.

E você já se viu nesse papel? Trabalha sob pressão? Se sim, ótima oportunidade para treinar sua resiliência. Se não, cuidado, você pode estar sendo poupado, porque sua Gerencia não acredita no seu potencial comportamental, e isso pode implicar em cargos estritamente operacionais para o resto da carreira.

A pressão tem que servir de oxigênio para novas conquistas e melhoria continua. Não entendam a mesma como um “carma”.

Ela pode ser responsável pelo seu desenvolvimento e consequentemente sua progressão de carreira. Fique feliz com o trabalho sob pressão, e se entenda uma pessoa afortunada pelo destino.

Se hoje não trabalha sob pressão, deixe claro para sua gerencia seu preparo e maturidade para o qual, e se for conveniente assuma responsabilidades que não assumia até então.

Deixe nítido sua preocupação e seu preparo para novos desafios, e siga em frente. Resiliente sempre!!!

 

Eu Gestor ou Chefe?

Eu Gestor ou Chefe?

Significado de gestão: s.f. ão de gerir. Gerencia, administração. Gestão de negócios, diz-e quando uma pessoa administra os negócios de outra, por ele se responsabilizando solidariamente, mas sem autorização legal.

Significado de chefe: s.m. Pessoa que se destaca pelas qualidades de autoridade, competência, poder de decisão. Individuo que, por essas qualidades, é investido de pose para ocupar um lugar de mando, de direção.

A diferença entre Gestor e Chefe não termina somente na definição. Atualmente na Administração Contemporânea, o Chefe cedeu espaço ao Gestor, pois viu-se uma necessidade muito maior em atitudes, principalmente as de relações interpessoais. O antigo chefe, que tinha lugar nas cadeiras mais técnicas da organizações, hoje foi transformado em cargos mais operacionais, enquanto os gestores tomaram voz de comando, justamente por lidar principalmente com a motivação das pessoas.

O gestor enquanto pessoa e profissional, é aquele que se auto-motiva e é aquele que foca o seu resultado através do resultado de sua equipe, e não simplesmente o resultado pelo tanto de esforço operacional que ele mesmo emprega.

Algumas palavras podem facilmente retratar a figura de um líder: inovação, desenvolvimento, inspiração, confiança, aproximação.

Os resultados organizacionais dependem exclusivamente das habilidades que o gestor tem para administrar os recursos como tempo, equipe, cultura, produtividade, ética, foco. O Gestor além de tudo, administra de uma maneira branda a expectativa da organização e da equipe. Não permite que informações desmotivadoras aflijam sua equipe. Não permite que a equipe perca o foco no trabalho por questão de alguma duvida ou insegurança. O Gestor filtra as informações relevantes ao resultado e a motivação da equipe e administra as situações que podem causar transtorno a mesma.

Se você está lendo esse artigo e se familiarizou com o perfil de Gestão, aproveite. A hora é essa. Invista em sua carreira, busque seu aperfeiçoamento e tenha muito sucesso!

Tatiane Souza