Todos falam na questão de acelerar para a competitividade, pois bem, devemos entender até onde é possível acelerar sem perder o foco. Exemplo: Estamos em uma estrada, e nosso carro está marcando a velocidade de 80/km por hora. Com essa velocidade podemos perceber tudo ao nosso redor sem perder nenhum detalhe.

Porém agora estamos na mesma estrada com nosso carro marcando 180/km por hora. Já não é possível perceber tudo ao nosso redor. Nossa visão já fica muito mais focada na estrada do que ao redor observando os detalhes.

Em nossa vida, ou melhor, em nossa carreira não é diferente. Não podemos acelerar nossa carreira pela competitividade sem parar e observar os detalhes ao  nosso redor. Não podemos acelerar sem estarmos preparados para tal responsabilidade.

Precisamos saber que o resultado final é fruto do desenvolvimento continuo, dos esforços do dia-a-dia, e não somente reflexo da chegada. Precisamos ter um  diferencial em nossa carreira. Precisamos nos aproximar do mercado e saber o que ele quer de nós. E para isso precisamos estar atentos aos detalhes.  Seguem três dicas que eu ouvi do escritor Rogério Leme no último fórum de RH que participei:

Para inovar devemos – “Gerenciar o presente, esquecer seletivamente o passado e criar o futuro.”

Achei bárbaro essa colocação. Resume em tese nossa  convicção de que precisamos viver o presente, sem esquecer coisas boas do passado, mas claro pensar no futuro.

Tatiane Souza