Poucos profissionais dispõem de uma consciência voltada a educação financeira. Atualmente dentro de um consumo desenfreado por aquisição imediata de “coisas” – digo coisas porque depois de efetivada uma compra por impulso o próprio consumidor não sabe pra que serve o que ele acabou de adquirir – o profissional se vê altamente desmotivado com sua remuneração, uma vez que ele não consegue mais pagar todos os compromissos financeiros assumidos – não porque seu salário não foi reajustado ou porque a inflamação está absurda – ele não consegue mais pagar suas contas porque passou a consumir demasiadamente sem necessidade e principalmente sem planejamento. Hoje a visão de um jovem logo após conseguir um trabalho é resolver onde gastar o dinheiro que ele ainda nem ganhou. Ele já adquire uma dívida de 12 meses para pagar, quando não uma parcela ainda mais a perder de vista.

Planejamento financeiro hoje é um assunto altamente discutido no meio corporativo, uma vez que as empresas já não conseguem mais motivar seus funcionários somente com aumentos salariais, porque um aumento salarial hoje equivale a mais uma dívida assumida pelo funcionário amanhã, que reflete: “ Se estou ganhado mais, posso gastar mais”. A remuneração recebida para a maioria das pessoas nunca será suficiente, haja vista que não se consegue planejar o que fazer de maneira adequada com o dinheiro que recebe. O mercado de trabalho atual cada vez mais competitivo e exigente facilita profissionais despreparados no quesito do planejamento financeiro a refletir da seguinte maneira: “Trabalhar pra ganhar essa “mixaria” pra que? Vou é embora desse lugar e vou mandar meu chefe a P….Q….P….”.

Devido a essa falha da sociedade e inclusive da estrutura familiar – pois a maioria dos pais também não estão preparados para planejar seus investimentos financeiros – essa garotada aparenta ser cada vez menos compromissadas com suas carreiras e com as empresas que trabalham, quando na verdade o que falta é qualificação para planejamento de futuro.

Uma pesquisa realizada em 2011 (Towers Watson) com 198 companhias nacionais e multinacionais, revelou que, 79% dessas empresas oferecem benefícios para a aposentadoria de seus funcionários. Dessa maneira com programas de conscientização e planejamento de futuro, fazem com que seus profissionais não pensem somente no agora, mas também tenham um planejamento para o futuro.

Com o aumento da expectativa de vida, hoje mais do que nunca precisamos nos preocupar com o futuro. Podemos escolher em depender exclusivamente de uma Previdência Social oferecida pelo Governo – claro que através do próprio dinheiro que arrecadam de nós através dos impostos abusivos – ou planejar nosso futuro financeiro desde cedo, já prevendo que quando chegarmos na melhor idade, ou quando tivermos uma necessidade relacionada a problemas de saúde por exemplo, teremos garantido o nosso direito de sobrevivência. Precisamos  saber que através do pouco que podemos poupar  hoje, teremos mais garantida nossa segurança amanha. Reflita, vale a pena!

 

Tatiane Souza